segunda-feira, 14 de julho de 2008

O professor de hoje sendo o aluno de amanhã

O professor nos dias de hoje se vê motivado a inserir o computador em sua metodologia de trabalho levando para a sala de aula o uso dos recursos multimídias e das ferramentas digitais, em razão destas enriquecerem a forma de trabalhar o conteúdo favorecendo o aluno na construção da sua aprendizagem. A variedade destes recursos é muito grande. São vídeos, áudios, sites, blogs, animações/simulações, textos e mais uma infinidade de opções que podem tanto ser acessadas quanto ser construídas pelo professor e/ou aluno.

Acontece que para o professor se sentir confortável no manuseio destas ferramentas ele tem que conhecer, pelo menos o básico, para poder não só acessar, mas mediar o potencial de uso dos alunos adequando-as ao projeto proposto.

Não estou mencionando aqui que o professor tem que saber instalar o sistema operacional e muito menos ser responsável pela sua manutenção, mas sim que este deve ter o domínio do objetivo a ser alcançado pela atividade proposta com o uso das ferramentas disponibilizadas na web.

Para conhecer as opções e o potencial destas ferramentas é necessário que os profissionais da educação estejam em constante processo de aprendizagem.

A capacitação para o uso destes recursos deve colocar o professor na condição de aluno que está ali para aprender a conhecer, a utilizar e a construir sua autonomia quanto a disponibilizar as Tics como mais um recurso no processo ensino/aprendizagem.

Nada parecido com as aulas formais do curso de informática em que o aluno tem primeiramente que aprender a mexer no FrontPage, que de repente nunca virá a usar, para depois aprender o tópico seguinte e assim sucessivamente. Ele tem sim que iniciar seu aprendizado enfocando os recursos passíveis de uso em sala de aula. O aprendizado tem que ser significativo, caso contrário, não acontecerá.

O professor, ao iniciar o seu processo de aprendizagem na posição de aluno, atuará como protagonista de suas produções, uma vez que só se aprende a mexer no computador, mexendo e experimentando. A capacitação deverá unir a teoria à prática e não se limitar somente ao conteúdo teórico como normalmente acontece.

A capacitação deve ser iniciada desde o "como ligar o computador" , uma vez que a grande maioria dos docentes não é nativo digital, e muitos nunca ligaram um computador. Este "começar pelo começo" motivará o docente a interagir com a máquina, superando possíveis barreiras
pré-existentes, além de abrir caminho para futuras perguntas, que na maioria das vezes ficam recolhidas face ao receio de tornar público o não conhecimento do manuseio do computador.

Ao se sentir aluno e desfrutar de uma aprendizagem interativa, o professor percebe que com esta didática ele teve oportunidade de aprendizado e que lhe abriu um novo horizonte, acabando por mudar a sua maneira de atuar em sala de aula, incentivando o aluno a experimentar e a produzir. Agindo assim, estará se libertando da metodologia arcaica conteudista, e passará a incentivar a autonomia e autoria do aluno, desvencilhando-se de vez do mito de que todos têm que aprender o mesmo conteúdo, no mesmo processo, no mesmo ritmo, seguindo o mesmo itinerário.

Ao vivenciar esta experiência, no momento em que retornar à sua posição de docente, não correrá o risco de adotar o mesmo comportamento anterior em que construía o conteúdo multimídia e o disponibilizava na internet para que o aluno somente o acessasse, sem promover qualquer tipo de interação.

Esta mudança de paradigma propiciará que seu foco passe a ser o aluno (individualidade), levando em conta a diversidade e a não massificação no processo de aprendizagem, propiciando a construção da autonomia deste aluno bem como o desenvolvimento de competências, além, é claro, de motivar a interatividade, quesito fundamental no uso da Web.

O ideal será quando a escola permitir que se leve para a sala de aula o comportamento que se adota na Web, permitindo que os alunos possam ser criativos, responsáveis, autônomos, interativos e produtivos, respaldados no desenvolvimento das quatro competências básicas descritas por Jacques Delors: pessoais, relacionais, cognitivas e produtivas, promovendo o desenvolvimento das inteligências múltiplas favorecendo, assim, a formação de indivíduos capacitados.

O texto é de nossa cadastrada Cybele Meyer, advogada, artista plástica, professora, pós-graduada em Psicopedagogia e Docência do Ensino Superior, escritora e palestrante.

Contato: cybelemeyer@yahoo.com.br

Materia Publicada na Revista Profissão Mestre

Fonte: http://www.profissaomestre.com.br/

1 comentários:

José Luiz disse...

Olá, pessoal!
Continuo pensando que a grande questão é a FORMAÇÃO do professor: ninguém pode dar ao outro aquilo que não tem. Por mais que o professor esteja convencido da realidade da Escola 2.0 ele precisará, minimamente, de conhecimentos de informática e navegação na web. Vencida esta etapa, acredito que a própria dinâmica das TICs se incumbirão de modificar e adequar a sua prática.
Neste momento, então, o que a Escola precisa é ser sensibilizada para o uso das novas ferramentas pedagógicas e do treinamento dos professores no uso desses recursos. E, é claro, esses passos dependem de atitudes pessoais e gestão de pessoas.
Um grande abraço.